O mercado financeiro revisou para baixo a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano. O relatório Focus, do Banco Central (BC) desta semana, mostrou que os analistas esperam avanço de 2,66%, contra 2,70% do documento anterior.

Por outro lado, em 2019, a expectativa para a expansão econômica brasileira passou de alta de 2,99% para um aumento de 3%. Há quatro semanas, estava em +2,80%

De qualquer forma, essas estimativas são superiores ao avanço do PIB esperado para 2017 (por volta de 1%). Os dados oficiais sobre as contas nacionais no ano passado serão ainda divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em março de 2018.

No âmbito da oferta – componente do PIB –, os economistas consultados pela autoridade monetária aguardam crescimento de 3,18% da produção industrial neste ano, contra expansão de 3,15% estimada pelo mercado, conforme o Focus da semana passada. Já para 2019, essa perspectiva caiu de +3,04% para +3% (mesmo patamar de quatro semanas atrás).

Do lado da demanda no PIB, o mercado prevê que a balança comercial atinja US$ 54,50 bilhões em 2018, uma revisão positiva comparada ao Focus anterior, quanto a estimativa era saldo de US$ 53 bilhões. No ano que vem, passou de US$ 45 bilhões para US$ 46 bilhões.

Ainda no cenário internacional, os analistas esperam entrada de US$ 80 bilhões (mesma previsão de há quatro semanas) em 2018 no País, e ingresso de mais US$ 80 bilhões no ano que vem. A taxa de câmbio pode chegar a R$ 3,30 por dólar (contra R$ 3,34% observados no último Focus) em dezembro, e a R$ 3,40 no final de 2019.

Preços e juros

No caso da inflação, não houve revisão das previsões do mercado, de uma semana para outra, tanto para 2018, quanto para o período seguinte: 3,95% e 4,25%, respectivamente.
Da mesma forma, a perspectiva para a taxa básica de juros (Selic) se mantém em 6,75% ao ano no encerramento de 2018, e em 8%, para 2019.

Fonte: ABRAS