Com nova lei, quem não contrata aprendizes terá que cumprir mesmo assim a cota de 5%

A Lei do Aprendiz foi alterada para que empresas que não contratam aprendizes cumpram a cota de 5% mediante pagamento a jovens para exercer funções em ONGs ou órgãos governamentais.

A medida atinge 12 segmentos de uso intenso de trabalhadores que enfrentam dificuldade com a lei. O de construção civil, por exemplo, envolve insalubridade. No de viações, onde o grosso da mão de obra é de motoristas, a aplicação da cota, segundo Marcos Bicalho, diretor institucional da NTU (associação do setor), é inviável.

“A nova alternativa não é interessante porque o empresário paga ao aprendiz e quem usufrui da mão de obra é uma outra instituição”, diz ele.

O objetivo da lei, no entanto, é inserir os jovens no mercado de trabalho, segundo Valesca Monte, do MPT. “Empresas têm obrigação de cumprir a cota. O propósito é permitir aos jovens os benefícios da inserção.”

Fonte: Supermercado Moderno