Só no Estado de São Paulo foram criadas mais de 45 mil empresas com foco nas vendas on-line, e o desafio é que elas se profissionalizem, para que o sonho do negócio próprio não vire pesadelo

O desemprego e a busca dos brasileiros por alternativas de sustento fizeram com que o número de lojas virtuais crescesse consideravelmente. Só no Estado de São Paulo o avanço foi de 30% com mais de 45 mil novos empresários entrando em atuação.

O alto volume, no entanto, esconde um problema comum entre os lojistas menores: a falta de profissionalização. Para o especialista em varejo virtual e advogado Romero Andrade Filho, a falta de conhecimento tanto em legislação quanto em estruturação de negócio faz com que a taxa de mortalidade desse tipo de negócio ainda seja enorme. “É preciso tomar muito cuidado para que o sonho de empreender não vire um pesadelo”, conta ele, ressaltando a importância do novo varejista se manter informado e participar de fórum que discutam as melhores práticas de operação.

Os números foram compilados pela Loja Integrada, plataforma virtual que reune pequenos varejistas. Segundo o estudo, o número de pedidos na internet também deu um salto: de 388.852 em 2015 para 911.298 no ano passado, quase o triplo.

O levantamento mostrou ainda que o segmento que mais se destacou em São Paulo durante o ano passado foi o de cosméticos, perfumaria e cuidados pessoais. Em 2016, esse nicho faturou quase R$ 30 milhões só na plataforma. Moda e Acessórios e Casa e Decoração também cresceram bem. “A economia e a praticidade são algumas das vantagens para quem compra.

Para quem vende, o investimento inicial e o risco são muito baixos. Abrir uma loja virtual é simples e prático”, diz o especialista em comércio eletrônico e diretor da Loja Integrada, Adriano Caetano.

Exemplo disso, a lojista Sibelle Alves de Assis, da Sibelle Modas resolveu se aventurar na onda virtual. A empresária está há 19 anos no mercado, mas só há três abriu a loja on-line. “Eu vendia de porta em porta e não tinha um retorno tão bom. Com as vendas pela internet, o negócio prosperou de um jeito que eu tive que, além de alugar uma sala para perto das confecções para o estoque, também tive que contratar mais duas pessoas para me ajudar.”

Para quem pretende investir no e-commerce em 2017, acontece em São Paulo, no próximo dia 16 de fevereiro, o Ciclo MPE.net. Durante todo o evento, serão ministrados seminários gratuitos para capacitar micros e pequenos empreendedores interessados em abrir uma loja na internet ou aprimorar o seu negócio.

Fonte: ABRAS