São Paulo – A confiança do consumidor do Brasil melhorou em outubro com as expectativas mais altas, chegando ao patamar mais elevado em quase dois anos, segundo dados da Fundação Getulio Vargas divulgados ontem (26).

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) ficou em 82,4 pontos, o maior nível desde dezembro de 2014, quando estava em 86,6 pontos, chegando a sexta alta consecutiva, que tinha atingido a mínima histórica em abril deste ano.

A alta da confiança segue puxada pelas expectativas em relação ao futuro, que seguem descoladas da satisfação com o presente. Segundo a FGV, o Índice da Situação Atual (ISA) avançou 0,8 ponto, de 68,2 para 69,0 pontos, compensando parte da queda de 1,3 ponto no mês anterior.

Expectativa em alta

Ainda assim, o descolamento manteve-se porque o Índice de Expectativas (IE) subiu 2,5 pontos, atingindo 92,6 pontos, o maior desde outubro de 2014 (94,6). “A recuperação da confiança dos consumidores continua a ser comandada pelas expectativas. Apesar da tendência ainda declinante do mercado de trabalho, as perspectivas de desaceleração da inflação e de queda das taxas de juros parecem contribuir para previsões menos pessimistas em relação à evolução das finanças familiares e para as perspectivas de compras de duráveis no curto prazo”, diz a nota divulgada pela FGV.